OS SABERES CURRICULARES E O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO

Sheila Cristina Monteiro Matos

Os saberes curriculares estão associados aos discursos, objetivos, conteúdos e métodos a partir dos quais a escola categoriza e apresenta os saberes sociais por ela definidos e selecionados como modelos da cultura erudita e de formação para a cultura erudita (TARDIF; LESSARD; LAHAYE, 1991). É o que se apresenta concretamente sob a forma de programas escolares que os educadores “devem aprender a aplicar” (TARDIF, 2002, p. 38), ou seja, o como agir.

Na perspectiva de ensinar o professor a aplicar os conteúdos historicamente construídos pela sociedade e pôr o currículo em prática na esfera escolar, Tura (2008) destaca uma discussão presente nas práticas curriculares, assinalando a existência de novas formas de controle da ação docente por meio de indicadores de desempenho, estandartizados e balizados na atividade pedagógica. Isso demonstra que as pesquisas na área educacional têm apontado a possibilidade de o professor aprender a aprender por meio de técnicas que geram eficiência no contexto escolar.

Embora os saberes curriculares mobilizados por esse professor possam surtir efeitos no processo ensino-aprendizagem dos alunos, cabe destacarmos que o docente, ao selecionar os meios e os objetivos que deseja alcançar durante uma aula, acaba por atrelá-los a um determinado interesse subjacente à pratica educativa – o “como fazer” do professor já é uma opção política.

Essas possibilidades políticas se fazem associar a práticas que podem ser perpetuadoras dos interesses hegemônicos ou a práticas progressistas e transformadoras. Na atualidade, o pensamento educacional tem norteado, segundo Ball (2004), um padrão de performatividade nas práticas docentes.

A cultura da performatividade, na sua gênese conceitual, seria “uma tecnologia, uma cultura e um modo de regulação que emprega julgamentos, comparações e termina se revelando como meio de controle, de desgaste e de mudança” (BALL, apud LOPES; LÓPEZ, 2010, p. 97). É uma tentativa de alcançar resultados e níveis de desempenho que acabam por associar tais conquistas à consecução de prêmios e honras. Seria o “vir a ser” previsto nos resultados da excelência. Segundo Boyle, citado por Ball (2004, p. 1116), “o ensino e a aprendizagem estão reduzidos a processos de produção e fornecimento, que devem cumprir os objetivos de mercado de transferência eficiente e de controle de qualidade”.

Os saberes curriculares, traduzidos como um processo de ensinar o professor a aplicar os programas e projetos escolares, passam a adotar tais posturas no cotidiano da sala de aula, favorecendo progressivamente, um currículo que é voltado para burilar competências e habilidades no aluno, dissociado, na maioria das vezes, dos verdadeiros interesses que estão por trás de tal ação.

Sacristán (1999) reflete sobre alguns desafios e dilemas que levam o currículo a atrelar suas concepções e ações a uma visão “utilitarista” do conhecimento. Nesse sentido, alerta:

Deixando-nos levar pelas tendências que emanam dos traços desse tipo de saber para essa sociedade da informação, resta pouca esperança para um currículo estável, centrado em núcleos essenciais, selecionados por consensos, que sejam a base de experiências continuadas pelas quais se forja um eu, assentado em formação sólida. A própria ideia de conteúdos , assim como a de um currículo, desvanecem-se diante da dispersão da oferta de informações que podem ser escolhidas. Sob a revolução da informação, a velha ideia da aprendizagem formal – o aprender a aprender – destacará não a formação, nem a apropriação da cultura, mas as habilidades flexíveis, as habilidades gerais, esvaziadas de conteúdos concretos e aquelas necessárias para a aquisição e a revisão de informação mutável (p. 198-199, grifos nossos).

Embora os consensos trabalhem legitimando uma perspectiva de currículo universalista e “utilitarista” para a escola pública brasileira, ainda verificamos a possibilidade de haver resistências por parte dos educadores que defendem um currículo pautado na dimensão plural do ser humano, razão pela qual esse autor ainda destaca:

É preciso dispor de uma forte seleção de conteúdos, representativa dos grandes campos do saber codificados e da tradição cultural, com grande densidade significativa potencial, que facilite a decodificação do mundo, da natureza, da sociedade e da própria cultura, mas respeitosa com a pluralidade de tradições culturais, pontos de vista e interesses intelectuais presentes e desejáveis em uma sociedade aberta. O currículo que respeite esse princípio terá de ser um currículo publicamente discutido, dialogado entre aqueles que tenham voz para poder argumentar racionalmente, porque só da razão dialogada podem derivar-se compromissos aceitos por todos, ainda que sempre provisoriamente (SACRISTÁN, 2001, p. 109).

 Ainda nesse contexto, o autor apresenta um contraponto no que concerne à discussão sobre a falta de autonomia dos professores em gerar os saberes curriculares. Segundo ele, podemos provocar novos espaços de discussão em que o educador passa a dar a sua contribuição na elaboração desses saberes. A condição é propor alternativas diferenciadas a partir de foros, deflagrando o debate coletivamente, em vez de negá-lo à sociedade. Cabe aos professores lutarem para adentrar nessa esfera de debate, contrapondo-se a política que lhes delega posições de coadjuvantes na concepção e elaboração do currículo, possibilitando empreender práticas educativas que irão de encontro ao instituído, ao pré-estabelecido pelas hegemonias.

A prática docente, abarcando um posicionamento que delega funções de sujeitos tanto ao professor quanto ao aluno, possibilitará redimensionar o ethos educativo, que percebe o aluno como sujeito cognoscente na sua aprendizagem escolar.

Vale ressaltar ainda que tais mudanças intensificam uma correlação de poder entre os diversos sujeitos que fazem parte do fenômeno educativo. É a tomada de consciência que nos remete a pressupostos de luta pelo poder. Essa luta deve ser concebida pelo professor e pela equipe pedagógica, os quais, como intelectuais transformadores (SILVA, 2007), devem estabelecer objetivos valorizando a cultura popular, silenciada historicamente pelas políticas hegemônicas de currículo.

Reportando-nos a Freire, não o vemos retratar claramente sobre a temática do currículo. Segundo Silva (2007), a crítica de Freire ao currículo estabelecido pode ser sintetizada a partir da teorização do conceito de “educação bancária”, que expressa uma visão epistemológica que concebe o conhecimento meramente como algo a ser transmitido em que o aluno, passivo diante do conhecimento, seria uma espécie de depósito bancário. A “educação problematizadora” de Freire, ou seja, a educação como ato político, consistiria então, em uma alternativa para se contrapor a tal tradição historicamente arraigada em nossas práticas educativas.

O Programa Mais Educação, por seu turno, é uma das 40 ações do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), o qual possibilita a jornada ampliada em escolas públicas de ensino fundamental localizadas em regiões metropolitanas. Sua implementação propõe uma discussão conceitual que abarca uma proposta de educação integral que busca um padrão de qualidade na educação. Em razão disso é

necessário que o conjunto de conhecimentos sistematizados e organizados no currículo escolar também inclua práticas, habilidades, costumes, crenças e valores que estão na base da vida cotidiana e que, articulados ao saber acadêmico, constituem o currículo necessário à vida em sociedade (BRASIL, 2008b, p. 27).

 Assim, verificamos que o Programa Mais Educação, ao propor que os planejamentos apresentem práticas diversificadas na jornada ampliada, traduzidas por atividades que incluam artes, dança, pintura, esporte, horta e meio ambiente, entre outras, acaba por priorizar um currículo abrangente que almeja a formação integral para alunos da escola pública.

Nessa perspectiva, ainda podemos fazer inferências sobre a possibilidade de incluir nas atividades do contraturno as dimensões da ludicidade, da expressividade, da afetividade (SILVA; SILVA, 2010).

Conforme sugere Gonçalves (2006), algumas metodologias didáticas devem tornar-se importantes na prática educativa

 Não se trata simplesmente de fazer ‘passeios’, de artificialmente intercalar aulas repetitivas, monótonas, com supostas ‘saídas’ ou excursões divertidas. Trata-se de considerar excursões, atividades extra-escolares e aulas em sala, como um todo, como um projeto pedagógico de desenvolvimento de uma determinada disciplina, em que não precise haver repetição e que a diversão não é inimiga da aprendizagem, ao contrário, quando aprendemos de modo prazeroso, esses aprendizados se tornam muito mais significativos (p. 134).

 Toledo (2009), afirma que “é fundamental, a existência de um projeto político pedagógico que oriente as diretrizes e as atividades de aprendizagem do turno e contraturno” (p. 239). O Mais Educação contempla essa ideia, ao afirmar que é necessário uma nova organização do currículo escolar e que é “somente a partir do projeto político-pedagógico, construído coletivamente, que a escola pode orientar e articular as ações e atividades propostas na perspectiva de educação integral” (BRASIL, 2008a, p. 36). Essa proposta além de não excluir o professor, convida a comunidade.

O Programa também orienta que haja um professor comunitário para além de mediar às relações entre comunidade e escola, constituir-se importante articulador entre as ações do turno e do contraturno. Assim, esse professor comunitário passa a ser o articulador para “transformar escola e comunidade através do enfrentamento das diferenças e da ampliação da esfera da negociação e diálogo entre elas” (BRASIL, 2008a, p. 79).

Observa-se, assim, que ao propor um planejamento curricular que leve em conta os saberes diferenciados de alunos, professores e demais sujeitos que fazem parte do ato educativo, potencializa-se um currículo que valoriza a diversidade. Ao destacar tal exigência para o currículo, Sacristán (2001) aborda:

 A diversidade da experiência, da cultura dos seres humanos e de suas qualidades exige-nos currículos, métodos, ambientes, aprendizagem e procedimentos suscetíveis de absorver as diferenças, estimular certas diferenciações e romper, antes de tudo, com o monolitismo de algumas tradições escolares cerceadoras da diversidade enriquecedora (p. 104).

 Em face do exposto, observamos que os saberes curriculares têm a importância fundamental para o bom desenvolvimento das práticas educativas. Por sua vez, o Programa aponta para a necessidade de se conjugar os saberes associados ao currículo formal com os comunitários, bem como a integração dos mesmos para além dos limites da escola e das políticas educacionais.

 REFERÊNCIAS

BALL, Stephen J. Performatividade, privatização e o pós-Estado do bem-estar. Educação e Sociedade, v. 25, n. 89, p. 1105-1126, set/dez 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Rede de saberes mais educação: pressupostos para projetos pedagógicos de educação integral: caderno para professores e diretores de escola. 1. ed. Brasília, DF: MEC, 2008a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Texto Referência para o debate nacional. Série Mais Educação. Educação Integral. Brasília, DF, MEC, 2008b.

LOPES, Alice C.; LÓPEZ, Sílvia, B. A performatividade nas políticas de currículo: o caso do ENEM. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 89-110, abril 2010.

SACRISTÁN, J. Gimeno. A educação obrigatória: seu sentido educativo e social. Porto Alegre: Artmed, 2001.

SACRISTÁN, J. Gimeno. Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: Artmed, 1999.

SILVA, K. N. P.; SILVA, J. A. A. A relação com o saber no Programa Mais Educação. In: Congresso Ibero-Luso-Brasileiro de Política e Administração da Educação, 1. Espaço Público da Educação: emergências de políticas e práticas locais, regionais e nacionais: programa e trabalhos completos do Brasil. Niterói (RJ): ANPAE, 2010. Disponível em: <http://www.anpae.org.br/iberolusobrasileiro2010/cdrom/&gt;. Acesso em: 10 jul. 2010.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de identidade: uma introdução às teorias de currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

TARDIF, M.; LESSARD, C.; LAHAYE, L. Os professores face ao saber: esboço de uma problemática do saber docente. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 4, 1991.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TOLEDO, Alex F. et al. Um olhar exploratório sobre diferentes modalidades de educação integral. In: COELHO, L. M. C. C. Educação integral em tempo integral: estudos e experiências em processo. Petrópolis: DP et alli, 2009. p. 219-240.

TURA, Maria L. R. Políticas de currículo no cotidiano escolar. In: LOPES, A. C.; LEITE, A. L. C.; TURA, M. L. R. (orgs.). Políticas educativas e dinâmicas curriculares no Brasil e em Portugal. Petrópolis: DP et Alli; Rio de Janeiro: Faperj, 2008.

About these ads

7 respostas para OS SABERES CURRICULARES E O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO

  1. keyla magalhães disse:

    Boa noite! Eu dou oficinas de dança de rua e gostaria de saber como faço para entra no projeto? Desde já agradeço!

  2. verônica de lourdes disse:

    Boa tarde
    Eu sou formada em artes cênicas e trabalho com teatro desde 1998, gostaria de saber como fazer para participar do projeto? obrigado.

  3. Ana Cecilia Beltrani disse:

    500 ESCOLAS INTEGRAL? (promessa de campanha Beto Richa)

    Tanto as propagandas sobre Educação Municipal de Curitiba, quanto as “Promessas” de campanha do futuro governador não passam de uma enganação.

    Se Curitiba tem a “melhor educação entre as Capitais” como se propaga. Imaginem a pior?

    As médias enviadas pela SME – Curitiba ao IDEB – Não mostram a realidade da nossas escolas ..seriam maquiadas?
    É simples, faça uma pesquisa no Google : – A Lista de médias que a SME – SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO de Curitiba enviou para o IDEB: -

    Preste atenção:-

    TEORICAMENTE, SE O ALUNO FICA 8 horas NA ESCOLA =

    APRENDE MAIS…

    CERTO? ( teoricamente deveria)

    ERRADO!

    as médias comprovam que a grande maioria dos CEIs = CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRAL DE CURITIBA É ABAIXO DE 4 ( de 0 a 10 )… a realidade é pior ainda!

    Sabe o que significa média até 4 ?

    Significa que a criança mal sabe escrever seu nome completo, e isso no 3º ano!

    Tem algo errado aí !?

    Transformar as escolas regulares em Integral , SOMENTE DERRUBANDO-AS….

    ESCOLAS INTEGRAL são as projetadas por Oscar Niemeyer e implantadas no governo de Leonel Brizola no Estado do Rio de Janeiro e em outros estados, com toda a infra estrutura , em todos os sentidos http://pdt12.locaweb.com.br/paginasmenu.asp?id=34

    Essa “promessa” de transformar 500 Escolas regular em Integral é um dos engodos mais hilariantes que já ouvimos no magistério do Paraná

    PORTANTO ADAPTAR AS ESCOLAS INTEGRAL NAS QUE ESTÃO AÍ ( estado)VAI ACONTECER O QUE JÁ EXISTE AQUI EM CURITIBA NAS ESCOLAS DA REDE MUNICIPAL…

    ELAS NÃO PASSAM DE DEPÓSITO DE CRIANÇAS,

    MAL SABEM OS PAIS, A FRIA QUE É DEIXAR SEUS FILHOS num CEI

    A seguir FONTE SISMAC:- Legado do ex- prefeito Beto Richa na Educação Municipal

    NÃO EXISTE PLANO EDUCACIONAL ( pasmem !! )

    SALA SUPERLOTADAS

    PROFESSORAS STRESSADAS E DOENTES

    CENTENAS DELAS, LECIONAM A BASE DE TRANQUILIZANTES

    CENTENAS ESTÃO AFASTADAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE POR ORIENTAÇÃO PSIQUIÁTRICA…( faça uma pesquisa !! )

    TERCERIZOU OS SERVIÇOS ESCOLARES

    AUMENTOU TEMPO HORA – AULA

    LEVOU A FALÊNCIA o ICS = INSTITUTO CURITIBA DE SÁUDE

    A META DO ENSINO É A NOTA DO IDEB

    NÃO EXISTE AUTONOMIA NAS ESCOLAS (DIRETORAS FANTOCHES?)

    MASCARA AS VAGAS NAS CRECHES

    SALÁRIO – bruto – inicial de uma professora com faculdade não passa de R$ 930,00

    Professoras com Pós Graduação e com mais de 10 anos de atividade ganha menos de R 1.200,00 (fonte sismac)

    Verba de DESCENTRALIZAÇÃO das ESCOLAS, NÃO COBRE nem AS DESPESAS COM LIMPEZA!

    PROFESSORAS SÃO ASSEDIADAS MORALMENTE POIS A ” ORDEM VELADA ” DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO – SME

    É :-

    NÃO REPORVAR!

    mesmo que o aluno não esteja preparado par a série seguinte. –

    ESSE É UM DOS MOTIVOS QUE CENTENAS E MAIS CENTENAS DE ALUNOS CHEGAM AO 5º ANO SEM SABER LER E ESCREVER – INCAPAZES DE INTERPRETAR UM TEXTO !

    MAL SABEM FAZER AS OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS

    ESSA “MELHOR” EDUCAÇÃO QUE TANTO se propaga aos quatro cantos , ESTÁ FORMANDO GERAÇÕES E MAIS GERAÇÕES DE ANALFABETOS FUNCIONAIS! ( realidade nua e crua )

    CRECHES COM FALTAS DE VAGAS

    INFORMÁTICA SUCATEADA…= A MAIORIA NÃO FUNCIONA -

    (SÓ É BONITA NA PROPAGANDA – TUDO NÃO PASSA DE ARMAÇÃO! Apenas CENÁRIO!

    MERENDA ESCOLAR SERVIDA PELA RISOTOLANDIA É DE PÉSSIMA QUALIDADE = ( fonte sismac)

    ENSINO INTEGRAL nas ESCOLAS MUNCIPAIS NÃO PASSAM DE DEPOSITO DE ALUNOS :-

    NÃO TEM PROJETOS E NEM ESTRUTURA ( visitem um CEI – Centro de Educação Integral de Curitiba no periodo da tarde…. coloquem armadura antes!!!)
    ALGUMAS SÃO TÃO RUINS QUE MAIS PARECEM UM CAMPO DE CONCENTRAÇÃO E AS PROFESSORAS CARCEREIRAS.

    VOCÊ AINDA ACREDITA NAS PROMESSAS DO FUTURO GOVERNADOR Beto Richa?

    500 ESCOLAS INTEGRAL ? Engano que seduz!

    VOCÊ CONHECE ALGUMA ESCOLA MUNICIPAL DE CURITIBA BONITINHA IGUAL QUE APARECE NAS PROPAGANDAS?

    BRINQUEDOS NOVINHOS E ALUNINHOS FELIZES, SADIOS , LINDOS E LIMPINHOS ?

    As CEIs – Escolas de Educação Integral existentes em Curitiba..não passam de um

    DEPÓSITO DE CRIANÇAS…

    sem PROJETOS E SEM ESTRUTURA….os alunos ficam ao deus-dará no período da tarde (cheiro de suor, chulé, pum, etc..)

    PROFESSORAS E ALUNOS STRESSADAS E DOENTES!

    PORTANTO A IDÉIA DE TRASFORMAR O ENSINO REGULAR EM ESCOLAS INTEGRAL É UMA FALÁCIA SEDUTORA!
    Fico imaginando o que vai “sobrar”para os professores do estado…
    Com o diz um velho adágio: – QUEM VIVER VERÁ!

    Professores indignados com a PROPAGANDA ENGANOSA!

  4. luana disse:

    boa tarde,eu ja trabalho no mais educação desde agosto passado ano,sou professora de dança modalidades jazz,bale, Street dance,e ao contrario do que dizem paras crianças foi maravilhoso esse tempo aprenderam a dançar e disciplina montamos varias coreografia e os levei pra se apresentar fora.hoje estou com horário disponível quem se interessar é só mandar Email ok!!!!

  5. monica disse:

    futuralmente teremos novos analfabetos

  6. irlene disse:

    Eu acho que deveria haver uma grade curricular para cada macrocampo,para definir melhor o que poderia ser trabalhado em cada aula,ou seja,subsídios que venham nortear os trabalhos desenvolvidos por todos que faqzem a escola e que estão inseridos no progama.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 32 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: