COSTA, Regis. Tempo de escola e tempo de vida: uma análise comparativa de duas escolas da rede municipal de Teresópolis/RJ. Rio de Janeiro, 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro

O trabalho teve por objetivo analisar duas escolas das séries finais do ensino fundamental, localizadas no município fluminense de Teresópolis, que integra a Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro. A partir de um debate sobre a qualidade da escola pública e sobre políticas que vêem na ampliação dos tempos e espaços escolares um caminho para se alcançar tal qualidade, procuramos escolher duas escolas que fossem avaliadas distintamente pela comunidade escolar e pelos instrumentos oficiais (Prova Brasil e Ideb). Uma delas – a Escola 1 – aproxima-se da ideia uma escola pública de qualidade, e a outra – a Escola 2 – detém a fama de ser uma escola precária. Alinhando-se com a linha de pesquisa de estudos da escola, a investigação pretendeu estabelecer possíveis relações entre o tempo não-escolar dos alunos e os resultados de cada escola, considerando fatores externos (nível socioeconômico, escolaridade das mães) e internos, ao nível da unidade de ensino. O uso do tempo fora da escola também foi pensado com vistas à compreensão de estratégias escolares de manutenção ou melhoria da qualidade de ensino. Abre-se a perspectiva de comparação dos “tempos” dos alunos, a fim de questionarmos os limites e as possibilidades de ampliação da jornada escolar de jovens no segundo segmento do ensino fundamental. O trabalho de campo contou com dois instrumentos de investigação, ligados às diversas dimensões constituintes do espaço escolar. Para fins de análise, serão utilizados métodos quantitativos (survey) e qualitativos. A hipótese central é que as dimensões sociais do tempo/espaço do aluno adolescente, fruto da combinação de elementos tais como: o trabalho, o background familiar, e os espaços social e escolar, interferem na sua trajetória e relação com a escola. Os resultados permitiram identificar significativas diferenças no uso do tempo fora da escola, influenciadas por variáveis estruturais e escolares. Também foi possível perceber existência de certo ethos institucional que, de certa forma, engendra a representação da escola para a comunidade escolar em geral, além de ser um elemento
fundamental na concorrência entre as escolas por alunos e professores.

Palavras-chave: Educação – qualidade da escola pública – tempo social – tempo fora da escola

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: